tel.: (11) 3675-7810
abap@abap.org.br

185
Datas

16 JUNHO 2015
Sessão técnica Patricia Sanches
São Paulo - SP


Local: Espaço Gail • Av. das Nações Unidas, 12.399 conj. 73B • São Paulo.SP
(ao lado da estação Berrini de trem, próximo ao D&D)
Inscrições: abap@abap.org.br ou (11) 3675 7810 (à tarde)
Entrada gratuita.

07 A 15 JUNHO 2015
52nd IFLA WORLD CONGRESS

St. Petersburg, Russia

23 A 24 JUNHO 2015
X Colóquio QUAPÁ-SEL
Brasília/ DF

Evento científico aberto a pesquisadores que objetivem compreender os sistemas de espaços livres das cidades e metrópoles brasileiras, suas características, qualidades e potencialidades.
Organizado pela Rede Nacional de Pesquisa QUAPÁ-SEL, na UnB.

Informações: lapquapa@usp.br

CERÂMICA ATLAS

A Abap conta com novo sócio-colaborador. Há 50 anos no mercado, a Cerâmica Atlas é atualmente conhecida como a indústria de pastilhas de porcelana e revestimento cerâmico que atingiu o mais alto nível de qualidade, volume, grande variedade de formatos, desde as pequeninas pastilhas de porcelana, as únicas fabricadas no Brasil com tamanho 1,5 x 1,5 cm até os revestimentos cerâmicos com 5 x 23 cm.

Projeto de Luiz Mariano e Helio Gardinasi

BRINQUEDO LAO

A pedido dos proprietários de uma residência em São Paulo, a Lao Engenharia, inspirada nos traços do pintor Joan Miró, desenvolveu este playground que é formado por plataformas em diversas alturas, fechadas por painéis pintados. O desafio era desenvolver um brinquedo para crianças muito ativas em um jardim sofisticado, mas com espaço pequeno para o playground.
A solução da LAO foi verticalizar o brincar e integrar o produto ao conceito da casa e do jardim.

SESSÃO TÉCNICA PATRICIA SANCHES



Se existe um déficit de áreas verdes, observa-se também um número crescente de áreas degradadas, sejam abandonadas, ociosas, subutilizadas ou residuais e que se encontram em estado de deterioração do ponto de vista ambiental, sociocultural e econômico. Essas áreas possuem grande potencial para serem reutilizadas e reintegradas à cidade, por meio da criação de novos espaços livres, principalmente áreas verdes públicas, como parques, praças, corredores ecológicos e caminhos verdes, revitalizando e requalificando “áreas mortas e desvalorizadas” das cidades, que resultam em melhoria urbanística.

No livro "De Áreas Degradadas a Espaços Vegetados", fruto de seis anos de pesquisa, a arquiteta paisagista Patrícia Sanches busca respostas e soluções inovadoras, em vários centros urbanos, para os seguintes questionamentos: Como as áreas degradadas podem ser recuperadas de forma a otimizar as condições do ambiente e revitalizar a paisagem urbana? Quais critérios ajudam a definir as prioridades para o melhor uso dos recursos disponíveis? Como tomar decisões apropriadas no trato dos espaços livres urbanos?

Dia 16 de junho, na Sessão técnica da ABP (informações na barra lateral).

PRÊMIO ROSA BARBA



O Prêmio Rosa Barba, principal evento da 8a Bienal Internacional de Arquitetura Paisagística realizada em Barcelona, foi dado ao projeto North Wharf Promenade, Jellicoe Street and Silo Park, na Nova Zelândia, realizado pelos escritórios Australianos, TCL and Wraigth + Associates.

O Projeto foi capaz de convencer os políticos a preservar e regenerar os artefatos industriais e a manter a essência da tradição da vida industrial ao longo da baía, proporcionando novas experiências para os usuários.

Vale destacar as Boas Práticas no manejo das águas de chuva, onde jardins de “alta performance” auxiliam na drenagem, descentralizando os sistemas convencionais, e através do uso da vegetação, atuam no tratamento da qualidade da água infiltrada no solo e devolvida para a Baía norte de Auckland.

O desenho do Parque ainda proporciona ambientes para eventos e encontros, onde áreas de estacionamento são transformadas em espaços para feiras e eventos gastronômicos, e o antigo Silo de armazenamento de cereais, é utilizado como tela para projeção de filmes ao ar livre.

O Parque foi um dos projetos que tive a oportunidade de conhecer durante as visitas técnicas realizadas no 50º Congresso Internacional da IFLA ( International Federation of Landscape Architecture), realizado em Auckland na Nova Zelândia, em abril de 2013. Um novo olhar estratégico e político sobre a Arquitetura da Paisagem demonstra que podemos atender as questões de demanda da sociedade, “através de desenhos fortes e robustos, utilizando uma abordagem humilde e sensível”.

Texto e fotos: Marcelo Vassalo

Para mais fotos:
http://www.marcelovassalo.com.br/nova-zelandia/

Casa Cor 2015



Benedito e Felipe Abbud e Cornelia von Ammon participam da Casa Cor 2015 em parceria com a Intercity, empresa que tem como proposta oferecer diferentes soluções em pisos para áreas externas, associando tecnologias inovadoras para o desenvolvimento de produtos versáteis, com design e qualidade.

Intitulado de “Se essa rua fosse minha”, o projeto de Benedito e Felipe Abbud foi inspirado em um projeto que integra a natureza à arquitetura urbana. Para compor a calçada, foram escolhidos os pisos Lista e o Drenante, todos com o acabamento Duracapa destacando cores mais vivas e duráveis por mais tempo. Já para o “Terraço Tropical” da paisagista Cornelia, foram utilizados o Antiche natural, combinando o rústico e o moderno.

CRISE HÍDRICA EM SÃO PAULO



O “Seminário Nacional: Arquitetura Paisagística em tempos de crise hídrica” realizado em São Paulo nos dias 27 e 28 de abril reuniu arquitetos, urbanistas e paisagistas, engenheiros e biólogos para conhecer e discutir os recentes avanços da prática profissional destas disciplinas para rever a forma tradicional de gestão da drenagem, de tratamento de efluentes, de reuso da água e de revegetação do meio urbano.

Para Aluisio Canholi, se feito o controle da qualidade da água, os reservatórios podem se tornar mananciais urbanos, resolvendo simultaneamente dois problemas da infraestrutura – as enchentes e a escassez hídrica. Mas, ainda que as técnicas sejam conhecidas, as medidas preventivas são de longo prazo e metrópoles como São Paulo e Rio de Janeiro são premidas a adotar medidas de curto prazo para controlar enchentes, ou seja, piscinões.

Luiz Costi apresentou projetos de instalações prediais que contam com sistemas de tratamento de água, estações meteorológicas, medidores de chuva, entre outras ferramentas relativamente fáceis de montar ou disponíveis no mercado, mas não difundidas. Guilherme Castagna discorreu sobre a integração da chuva na paisagem com adoção da drenagem sustentável, o aproveitamento de fontes locais para abastecimento e o tratamento diferenciado de águas servidas. Na última apresentação, o biólogo Marcos Buckeridge deu uma aula sobre o funcionamento das plantas e a relação de seus processos biológicos com a água.

Leia texto na íntegra

COMEMORAÇÃO



O dia 28 de maio de 2015 marca o início das solenidades dos 40 anos da ABAP, conforme agenda disponível no seu novo sítio eletrônico (http://www.abapbr.org). Todavia, o momento não envolve apenas festividades, mas também a comemoração do fortalecimento da associação.

O Artigo 4º do seu novo Estatuto Social, oficialmente instituído em dezembro de 2014, estabelece seu objeto precípuo de “assistir, promover, apoiar, incentivar e desenvolver ações científicas, tecnológicas, educacionais, culturais, sociais e ambientais que visem ao desenvolvimento, à divulgação e à valorização profissional da Arquitetura Paisagística no País”.

Nesse sentido, devem ser comemoradas não apenas a renovação do estatuto e a inauguração do sítio eletrônico, mas as recentes conquistas de metas estatutárias significativas.

A título de exemplificação, podem ser destacados alguns fatos recentes como a designação da ABAP para importantes cargos nacionais e estaduais relacionados ao desenvolvimento do campo profissional; a sua permanente representação em eventos no país e no exterior, com vistas à valorização da Arquitetura Paisagística; a sua constante diligência na proteção de princípios técnicos e de bens paisagísticos e ambientais; a realização intercalada de congressos internacionais e de seminários nacionais – além de outros encontros de caráter regional e da publicação periódica do seu boletim específico –, possibilitando a divulgação e o debate sobre matérias de amplo interesse; a quase duplicação da quantidade de núcleos estaduais da associação no território brasileiro, consolidando a sua efetiva representatividade; e o acréscimo de mais de um quinto do número de associados, dilatando a sinergia para o alcance dos objetivos programados; dentre muitos outros feitos detalhados nos relatórios de atividades já disponibilizados no sítio eletrônico, além de outros a serem brevemente divulgados.

Por fim, cabe lembrar que o Artigo 3° do Estatuto Social especifica que a ABAP “tem prazo de duração indeterminado”. Que seja eterna...

Letícia Peret Antunes Hardt
Presidente da ABAP

Sócios colaboradores
Vidrotil
Rain Bird
Regatec
Lao
Wall Green Gail
Cerâmica Atlas
Wall Green
Empresas City
Itograss
Haiah
Pedras Bellas Artes
Paisagem Escrita é uma publicação da ABAP