tel.: (11) 3675-7810
abap@abap.org.br

183
Datas

06 ABRIL 2015
São Paulo SP

Sessão Técnica do Ciclo ABAP-Gail
Soluções para economia de água na irrigação de paisagismo com Danny Braz/ Regatec.
A sessão técnica abordará:

  • técnicas para eficiência e economia de água e energia na irrigação;
  • as tabelas usadas pelo GBC e LEED que definem fatores de eficiência;
  • irrigação e reuso de água de chuva, com comparação dos custos de operação;
  • obras e exemplos.
Será uma oportunidade para profissionais da arquitetura paisagística discutirem sua prática num contexto de escassez de recursos.

Local: Av. das Nações Unidas, 12.399, conj. 73B
Inscrições: abap@abap.org.br

11 ABRIL 2015
10h às 14h
São Paulo SP

Passeio ciclístico Abap – ciclovia do Pinheiros

Encontro: Supermercado Varanda próximo à ponte Cidade Jardim

27 e 28 ABRIL 2015
19h às 22h30
São Paulo SP

Seminário ABAP Arquitetura Paisagística em tempos de crise hídrica

Local a confirmar. Aguardem informações.

07 A 15 JUNHO 2015
52nd IFLA WORLD CONGRESS

Data limite de envio de trabalhos 15/01/2015
Moscow e São Petesburgo, Rússia

Mais informações

Abu Dhabi, uma experiência na criação de paisagens


Texto e fotos: Silvio Macedo

Na capital de Abu Dhabi, cidade que tem o mesmo nome do país, pode-se observar o mesmo processo de construção de uma nova paisagem urbana no meio do deserto e à beira-mar existente no Omã, Kuwait e principalmente em Dubai. Do nada se constrói uma cidade moderna, sendo a orla desértica modelada para receber marinas, condomínios, museus (como o Louvre e o Guggenheim), torres de escritórios e promenades. Uma extensa rede de vias expressas as estrutura para o automóvel. Os principais prédios são assinados por grandes nomes como Frank Gehry, Richard Meyer e outros.

Paralelamente à construção de vias e prédios, um conjunto imenso de novos parques, calçadões e jardins está sendo criado sobre as terras desérticas, todos irrigados por gotejamento, com predomínio de um desenho paisagístico híbrido, meio conservador, meio vanguarda, nos quais as topiárias e as tapeçarias floridas convivem com fontes com desenho tradicional e pisos bastante simples.

As imagens mostram (01) os jardins da mesquita Sheik Zayed, ainda não totalmente concluídos em 2015, estruturados por canteiros e pisos ondulantes; (02) o Calçadão da orla marítima, um piso formal, azul, ladeado por colunatas de palmeiras e topiárias; e (03) Vista dos jardins do palácio do governo, com um desenho extremante formal e simétrico.

De TAREFAS CUMPRIDAS a COMPROMISSOS URGENTES



Ao final da sua gestão como Secretária Executiva do Colegiado Permanente das Entidades Nacionais dos Arquitetos e Urbanistas (CEAU), entidade consultiva do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil (CAU-BR), a ABAP repassou, em 24 de fevereiro, em um processo consensual de alternância entre as cinco entidades mentoras do conselho, as respectivas funções à Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura (AsBEA), permanecendo com responsabilidades adjuntas.

No período de um ano, várias atividades foram desenvolvidas, a exemplo do tratamento de questões referentes ao ensino e formação, como a análise das novas diretrizes curriculares e da acreditação de cursos e instituições, com participação, direta ou indireta, em articulações com o Ministério da Educação (MEC).

Igualmente relevantes foram as tratativas voltadas ao exercício e à política profissional, desde encaminhamentos sobre concursos públicos de projetos, carreira de estado, normas técnicas e reconhecimento de relevantes personalidades em diversos campos, até a elaboração de manuais, apreciação de resoluções, organização de seminários e apoio a eventos, dentre os quais vale mencionar o Congresso Mundial de Arquitetos no Rio de Janeiro em 2020, cujo conselho gestor será integrado pela ABAP.

Cabe ressaltar, ainda, as diligências sobre assuntos legislativos pertinentes a regulamentações profissionais, licitações públicas, políticas urbanas e diretrizes ambientais, dentre outras.

Não obstante o cumprimento dessas tarefas, ainda há desafios urgentes a serem superados, especialmente aqueles que dizem respeito à implantação de colegiados semelhantes em diversos estados brasileiros, sendo imprescindível a representação da ABAP nesses concílios de direcionamento da profissão. Assim, torna-se imperativo o engajamento dos abapianos visando tanto à viabilização de novos núcleos estaduais da associação quanto à sua participação efetiva nessas atividades essenciais ao desenvolvimento e valorização da Arquitetura Paisagística no país.

Letícia Peret Antunes Hardt
Presidente da ABAP

Fórum Água: compartilhando conhecimentos em tempos de mudanças

O SindusCon-SP ( Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo)proporcionou, durante o Fórum Água, um debate no qual grandes atores, públicos e privados, estiveram presentes, destacando a importância da construção civil e enfatizando as ações estruturadas, para minimizar os impactos da crise hídrica.

A reflexão sobre o cenário da gestão atual e futura da oferta e demanda da água foi feita através de temas como: políticas de fomento para o uso racional da água; adequação dos serviços em edifícios existentes; e, avanços necessários na legislação, em projetos e normas técnicas para o uso de energias alternativas (águas de chuva, lençol freático e reuso de águas cinzas).

Marcelo Vassalo, do Núcleo SP da ABAP, esteve no evento e destacou as ações apontadas: aumentar a capacidade de resiliência investindo em medidas estruturais como reservatórios de abastecimento e bacias de retenção; diminuir a vulnerabilidade; e diminuir a exposição ao risco, reduzindo o consumo, trabalhando na educação e criando projetos e sistemas de controle e manutenção.

Pavimento permeável para captação e reuso de água


Desenho: Ronaldo Meyer

O principio que rege os pavimentos permeáveis, originalmente idealizados para conduzir aságuas pluviais de forma a reduzir o acúmulo e o alagamento nas várzeas, pode ser aproveitado de forma muito simples para viabilizar também o reuso da água captada.

O sistema consiste na impermeabilização do fundo e das laterais da necessária base de material granular do pavimento permeável, por meio de uma imprimação asfáltica ou de uma geomembrana, formando uma caixa de retenção estanque, como se fosse um reservatório. O preenchimento dessa caixa de retenção com camadas de material granular de diferentes granulometrias, além de melhorar sua capacidade estrutural de suporte de carregamento, contribuiria com a filtragem água retida.

O piso permeável que reveste a superfície superior da caixa de retenção garante a penetração da água da chuva, enquanto tubos drenantes, instalados no fundo, liberam a água retida à medida que as camadas de material granular forem ficando saturadas. Finalmente, a água é conduzida por gravidade para cisternas, de onde pode ser direcionada para caixas d’água ou para o uso.

A EmpresasCITY, sociacolaboradora da Abap, através da sua Unidade de Negócios SERVCITY ajuda os interessados a desenvolver e construir projetos para essa finalidade.

Sócios colaboradores
Vidrotil
Rain Bird
Regatec
Wall Green
Lao
Wall Green
Empresas City
Itograss
Haiah
Gail
Pedras Bellas Artes
Paisagem Escrita é uma publicação da ABAP