tel.: (11) 3675-7810
abap@abap.org.br

179
Datas

07 OUTUBRO 2014
Debate "Parques do Brasil: desafios, modelos de gestão, oportunidades e exemplos que inspiram"
Das 8h às 18h, no Auditório do Ibirapuera
São Paulo, SP
Mais informações

20 OUTUBRO 2014
Sessão técnica ciclo Gail–Abap
"Paisagem urbana brasileira e sistema de espaços livres - conflitos e sucessos" com Silvio Macedo, Jonathas Magalhães, Leonardo Loyolla e Fany Galender.
A principal pesquisa acadêmica de paisagismo em andamento, desenvolvida em rede com universidades por todo país, apresenta seus objetivos e resultados e discute como avaliar os espaços livres das cidades brasileiras.
Segunda-feira, das 19h30 às 21h30
Local: Espaço Gail, Av. das Nações Unidas, 12.399 conj. 73B
(ao lado da estação Berrini de trem) tel. (11) 5505 2879
Inscrições: abap@abap.org.br ou (11) 3675 7810 (à tarde)
Entrada gratuita. Vagas limitadas.
São Paulo, SP

04 NOVEMBRO 2014

7º Simpósio Brasileiro de Construções Sustentáveis
Tema: "Práticas de hoje para a construção do amanhã"
Teatro Sesi (FIESP)
Av. Paulista, 1313
das 8h às 18h
São Paulo, SP

Mais informações

20 OUTUBRO 2014
Sessão técnica ciclo Gail–Abap
"Paisagem urbana brasileira e sistema de espaços livres - conflitos e sucessos" com Silvio Macedo, Jonathas Magalhães, Leonardo Loyolla e Fany Galender.
A principal pesquisa acadêmica de paisagismo em andamento, desenvolvida em rede com universidades por todo país, apresenta seus objetivos e resultados e discute como avaliar os espaços livres das cidades brasileiras.
Segunda-feira, das 19h30 às 21h30
Local: Espaço Gail, Av. das Nações Unidas, 12.399 conj. 73B
(ao lado da estação Berrini de trem) tel. (11) 5505 2879
Inscrições: abap@abap.org.br ou (11) 3675 7810 (à tarde)
Entrada gratuita. Vagas limitadas.
São Paulo, SP

20 OUTUBRO 2014
Sessão técnica ciclo Gail–Abap
"Paisagem urbana brasileira e sistema de espaços livres - conflitos e sucessos" com Silvio Macedo, Jonathas Magalhães, Leonardo Loyolla e Fany Galender.
A principal pesquisa acadêmica de paisagismo em andamento, desenvolvida em rede com universidades por todo país, apresenta seus objetivos e resultados e discute como avaliar os espaços livres das cidades brasileiras.
Segunda-feira, das 19h30 às 21h30
Local: Espaço Gail, Av. das Nações Unidas, 12.399 conj. 73B
(ao lado da estação Berrini de trem) tel. (11) 5505 2879
Inscrições: abap@abap.org.br ou (11) 3675 7810 (à tarde)
Entrada gratuita. Vagas limitadas.
São Paulo, SP

NOVOS ASSOCIADOS
Bem-vindos à ABAP os novos associados do Paraná
Alessandro Filla Rosaneli
Carlos Hardt
Dilva Candida Slomp Busarello
Letícia Nerone Gadens
Marlos Hardt
Mônica Ferreira da Silva
Patrícia Costa Pellizzaro
Regina Maria Martins de Araújo
Ronaldo Murilo Leão Rego
Simone Aparecida Polli
Valéria Romão Morellato Hardt

E, reintegrado ao time:
Oscar Bressane, de São Paulo.

RESTINGA COMO POSSIBILIDADE PAISAGÍSTICA II

Restinga como possibilidade paisagística
“A cidade do século 21 precisa olhar a natureza além do aspecto estético. Ela deve ser desenhada e projetada de forma a atender às necessidades do nosso tempo. Por que a gente não tem um urbanismo do ciclo da água? O ambiente depende do homem para mantê-lo funcional”, afirmou Pierre Martin na segunda sessão técnica de agosto organizada pelo Núcleo Rio de Janeiro da ABAP, com o apoio do IAB-RJ.

Martin defende o paisagismo com funções ecológicas, inserido na cidade pensada, por sua vez, como um organismo vivo. Para seu projeto de restauração da Orla do Parque Olímpico Rio 2016, composta pelas faixas verdes situadas entre o Parque Olímpico e a Lagoa de Marapendi, na Barra da Tijuca, o paisagista destacou que, para a seleção das espécies vegetais a serem especificadas, foi necessário um intenso trabalho de pesquisa sobre a fitofisiologia da restinga, assim como da disponibilidade de mudas nos hortos especializados num espaço de tempo compatível com a agenda do evento. O projeto priorizou, além de espécies arbóreas de portes variados, espécies arbustivas e herbáceas, as bromeliáceas e as cactáceas. Antes do início do plantio e durante sua execução, teve importante papel a retirada das plantas invasoras, não características daquele ecossistema, comumente encontradas naquela orla.


O CALÇADÃO DA ILHA DAS CAIEIRAS

Calçadão Caieiras Foto: Francine Sakata

Em Vitória, a Ilha das Caieiras é um exemplo inspirador de requalificação social e paisagística. Os espaços livres públicos ali existentes foram tratados e permitem que usos tradicionais dos pescadores e das desfiadeiras de siri, convivam com usos cotidianos de lazer da população e com o turismo gastronômico. Tudo emoldurado por uma linda baía onde o sol se põe bucolicamente.

A Ilha das Caieiras é um dos bairros mais antigos de Vitória. As famílias ali instaladas desenvolveram a pesca e o desfio de siri. Na década de 1970, estas atividades tornaram-se fonte de renda e, ao longo dos anos, foram sendo abertos restaurantes e a comunidade começou a receber turistas. Na busca por melhorias, a associação dos pescadores formou uma peixaria comunitária e um pólo gastronômico que hoje conta com 14 restaurantes, além das barraquinhas, e um deck de madeira para as mesas, com vista privilegiada da baía. O deck se estende até a Praça Dom José Batista, equipada com quadra poliesportiva e de areia, playground e academia popular. De periferia carente e distante, a Ilha das Caieiras, ganhou centralidade.

ENCONTRO DE ENCONTROS

Encontro de Encontros Realizado no final de agosto, o 12ª Encontro Nacional de Ensino de Paisagismo em Escolas de Arquitetura e Urbanismo (ENEPEA), em Vitória, Espírito Santo, promoveu a troca de experiências em torno de um tema central voltado a dois desafios atuais, partindo do debate sobre o tradicional foco na formação acadêmica e alcançando a discussão sobre políticas públicas destinadas à valorização da paisagem.

Com presença marcante da ABAP e o pronunciamento da presidência da ABAP na sua mesa de abertura, o encontro proporcionou oportunidades para diálogos entre vários associados, desde a sua participação no pré-evento, visitas técnicas e atividades culturais, até a apresentação de palestras, coordenação de mesas redondas, exposição de comunicações, divulgação de publicações e contribuição nas decisões plenárias.

Há que se ressaltar, também, os variados prêmios auferidos por abapianos, seja pelo reconhecimento das suas ações em prol da arquitetura paisagística brasileira, seja pela excelência das suas orientações de trabalhos acadêmicos, em nível de graduação e de iniciação científica.

Letícia Peret Antunes Hardt
Presidente da ABAP

Colóquio Quapá-SEL e Enepea 2014 em Vitória/ES

Colóquio QuapáNos dias 25 e 26 de agosto ocorreu na Universidade Federal do Espírito Santo, na cidade de Vitória, o IX Colóquio Quapá-SEL. Promovido pela rede nacional de pesquisadores coordenada pelo Laboratório Quapá, da FAUUSP, o evento tem sido um importante espaço para troca de experiências relacionadas ao entendimento da estruturação da forma urbana e sua relação com os espaços livres das cidades brasileiras. A atividade, de caráter anual, foi pré-evento do 12º Encontro Nacional de Ensino de Paisagismo em Escolas de Arquitetura.

No primeiro dia foram realizadas sessões temáticas que abordaram a estruturação, categorização e apropriação dos sistemas de espaços livres e também o papel dos diversos agentes e da legislação na produção da forma urbana nas cidades brasileiras. No segundo dia formaram-se grupos de trabalho reunindo os pesquisadores participantes de acordo com três diferentes tipos de cidades brasileiras: médias, grandes e litorâneas.

Colaborou: Leonardo Loyolla

SOBRE OS JARDINS CONTEMPORÂNEOS

Talk about contemporary gardens Este pequeno livro de Chantal Colleu-Dumond pode interessar tanto a leigos como profissionais da área da Paisagem e é uma consistente introdução aos jardins contemporâneos, apresentando inovações, práticas e posturas que são atualmente verificadas no trabalho de diferentes profissionais.

A aplicação não convencional da vegetação e de materiais tradicionais, associado ao uso de novos produtos e tecnologias têm levado os arquitetos paisagistas a conceberem espaços mais próximos das expectativas dos usuários dos centros urbanos.

As relações entre Arte, Arquitetura, Design e Urbanismo são as referências para a revisão dos critérios projetuais paisagísticos contemporâneos, indicando avanços formais e conceituais ao serem propostas novas linguagens na criação de espaços de diferentes escalas, do pequeno jardim residencial ao parque público urbano.

Nos dois últimos capítulos a autora destaca 30 arquitetos paisagistas, apresentados através de um sucinto texto sobre sua formação e principais trabalhos, além dos 24 jardins que devem ser visitados por todo interessado na área, com destaque para dois brasileiros: Sítio Burle Marx (Barra de Guaratiba / RJ) e Inhotim (Brumadinho/MG).

Talk about Contemporary Gardens. Editions Flammarion, Paris, 2013.

Sócios colaboradores
Vidrotil
Rain Bird
Regatec
Lao
Wall Green
Empresas City
Itograss
Haiah
Gail
Pedras Bellas Artes
Paisagem Escrita é uma publicação da ABAP